SECOM BA
Classivendas
Em cima da hora:
GM investe US$ 500 milhões em rival do Uber
-
  • Facebook
  • Twitter
  • Orkut
  • Feeds
  • UFC 200 /Futebol


    11.07.2016 00h46m
    Recomendar

    Por Alexandre Freie, advogado e cronista esportivo.

    Coluna publicada no dia 08/07/2016.

    Semana internacional da luta- UFC


    A semana internacional da luta começou na noite de ontem. Abrindo as comemorações, o UFC Fight Night trouxe a disputa do cinturão da categoria dos leves. O brasileiro Rafael dos Anjos enfrentou o americano Eddie Alvarez. Hoje, poderemos conferir as finais da edição americana do The Ultimate Fighter. A jornada esportiva desta sexta-feira se encerra com a luta de Cláudia Gadelha contra Joanna Jedrzejczyk. As duas já se enfrentaram em 2014, quando a lutadora da Polônia foi declarada vencedora pelos árbitros. Para que as coisas sejam diferentes desta vez, Cláudia terá de levar a oponente para o solo. A potiguar tem um jiu-jítsu mais afiado do que a rival e pode finalizá-la. Por outro lado, se o confronto se desenvolver em pé, as possibilidades de Joanna ganhar são maiores.


    Amanhã, o UFC promoverá o evento mais grandioso dos últimos tempos. A realização da sua ducentésima edição promete muitas emoções para os fãs do MMA. Além da disputa de dois cinturões, o UFC 200 exibirá lutas de ótimo nível técnico. No card preliminar, destaque para as lutas de TJ Dillashaw x Raphael Assunção, Johnny Hendricks x Kelvin Gastelum e Gegard Mousasi x Thiago Marreta.
     Dillashaw e Hendricks tentam recuperar a supremacia em suas divisões. TJ já foi derrotado por Assunção em outubro de 2013, mas progrediu bastante desde aquela oportunidade. Raphael vem de longa inatividade e pode sentir a falta de ritmo. Creio que o americano vive um melhor momento. Por isso, deve vencer.


    Johnny Hendricks caiu muito de rendimento depois que perdeu o cinturão para Robbie Lawler. Se derrotar Kelvin Gastelum, pode recuperar a confiança e voltar a sonhar com as primeiras posições da categoria dos meio-médios. Seu adversário é um jovem promissor, mas também tem oscilado bastante. Por ser mais forte e por ter maior poder de nocaute, aposto no triunfo de Hendricks.
    Já o carioca Thiago Marreta terá uma prova de fogo contra Gegard Mousasi. Marreta começou muito mal no UFC e quase foi despedido. Depois que foi treinar nos Estados Unidos, ele corrigiu algumas deficiências e melhorou significativamente. Mousasi é mais experiente e mais completo. Estou muito curioso de ver como Thiago vai se comportar contra um veterano da estirpe de Mousasi.


    Em relação ao card principal, a expectativa é a melhor possível. Iniciando os trabalhos, Cain Velasquez entra em rota de colisão contra Travis Browne. Velasquez é muito mais eficiente e mais talentoso do que Browne. Por isso, é provável que leve vantagem na peleja. Na sequência, Mark Hunt encara o gigante Brock Lesnar. Hunt tem as mãos mais pesadas do UFC e costuma resistir aos golpes dos adversários. Lesnar é dono de uma força física assombrosa, mas é limitado tecnicamente. Eu não creio que Brock derrote o “Super Samoano”.


    A torcida brasileira tem bons motivos para acompanhar os combates seguintes. Isso porque José Aldo Jr volta a se apresentar depois de perder sua hegemonia para Conor McGregor. Aldo terá a missão de superar Frankie Edgar. O manauara precisa lutar com inteligência e controlar a distância. Receio que o fracasso recente faça com que o brasileiro se exponha além do necessário. Espero que ele atue de forma estratégica. O duelo vale o cinturão interino dos penas. McGregor é o campeão linear e vai enfrentar o vencedor da peleja. Se eu fosse apostar, colocaria sessenta por cento do meu dinheiro na vitória de Aldo.
    A baiana Amanda Nunes tem um enorme desafio pela frente. Suplantar a campeã dos galos, Miesha Tate será a maior proeza da sua carreira. A atleta de Salvador é muito agressiva, tem um bom boxe e um ótimo jogo de chão. O problema é que Misha também tem muitas “armas”. Ela é capaz de finalizar ou nocautear qualquer rival. Para mim, Tate permanecerá como a número um da divisão.
    Por fim, lamento dizer que a tão esperada revanche de Jon Jones contra Daniel Cormier não vai mais acontecer. Jones foi flagrado no exame antidoping e está fora do evento.


    Breves comentários sobre futebol:
    1. O Atlético Nacional de Medellin provou porque é a melhor equipe da Copa Libertadores de 2016. O São Paulo até que endureceu a partida, mas a expulsão infantil de Maicon botou tudo a perder. Não acho que o tricolor paulista consiga reverter o resultado na Colômbia.
    2. Portugal fez uma campanha medíocre, mas garantiu sua presença na final da Eurocopa. Os lusitanos empataram todos os jogos anteriores, mas ganhou do País de Gales nas semifinais. A estrela de Cristiano Ronaldo brilhou novamente. Com um gol de cabeça e um passe involuntário, o atacante do Real Madrid foi decisivo para que sua seleção avançasse na competição.


    Na próxima semana, comentarei sobre o jogo da França contra a Alemanha e sobre a final da Eurocopa. Farei também minhas considerações sobre as lutas de Rafael dos Anjos, Cláudia Gadelha e sobre o UFC 200.
    Até breve, amigos.
     



  • Considerações sobre a Eurocopa


    30.06.2016 18h57m
    Recomendar

    Considerações sobre a Eurocopa.


    Por Alexandre Freire, advogado e cronista esportivo.


    A competição de futebol mais importante do continente europeu conheceu as oito seleções classificadas para as quartas de final. Os confrontos serão os seguintes: Polônia x Portugal, País de Gales x Bélgica, Alemanha x Itália e França x Islândia.
    Pela primeira vez na história da Eurocopa, a Polônia conseguiu passar para as fases decisivas do certame. Portugal já foi vice-campeão europeu, mas não costuma figurar entre os favoritos para conquistar o título do torneio. Até o momento, as duas equipes não apresentaram performances que indiquem que podem levantar a taça. O atacante Robert Lewandowski é o artilheiro do time polonês, mas não tem a companhia de grandes jogadores. Por isso, sua seleção não deve ir muito longe. Situação parecida ocorre com os portugueses. A dependência excessiva do talento de Cristiano Ronaldo é um problema. A prova disso é que o craque do Real Madrid não brilhou até agora e Portugal teve sérias dificuldades para vencer seus jogos. De qualquer forma, a lógica sugere que os lusitanos passarão para as semifinais.


    O País de Gales terminou a primeira fase da Eurocopa de 2016 em primeiro lugar em um grupo que tinha a Inglaterra e a Rússia. Essa condição elevou a autoestima dos galeses, mas não deve ser suficiente para ajudá-los a superar o próximo adversário. Gareth Bale, atacante do Real Madrid, tem a missão de levar sua nação às etapas seguintes. A Bélgica, por sua vez, é mais experiente e mais entrosada. Também pesa em seu favor, o fato de ter um “elenco” mais consistente. Jogadores como Hazard, De Bruyne, Carrasco, Fellaini, Lukaku e Courtois atuam em alguns dos melhores times da Europa e fazem sucesso. A tendência é de que os belgas vençam a peleja.


    Alemanha e Itália, seguramente, realizarão a disputa mais esperada e equilibrada do torneio. A atual campeã mundial vem de uma vitória tranquila sobre a Eslováquia, mas ainda não repetiu o excelente desempenho da última Copa do Mundo. A sensação é de que os alemães podem render muito mais. O jovem meia-atacante Julian Draxler é uma grata revelação do selecionado germânico. É importante salientar que a Itália sempre se notabilizou pela força da sua defesa. O time que a representa neste ano faz jus a essa tradição. Desta vez, a agradável surpresa é que o ataque da “Squadra Azzurra” tem superado as expectativas. A atuação dos italianos contra a Espanha na segunda-feira, dia 27, aumentou o otimismo daqueles que acreditam na conquista do título. Apontar um favorito nesse confronto é uma tarefa muito difícil, mas não vou ficar em cima do muro. Apesar de torcer para que a Itália siga adiante, acredito que a Alemanha se classificará. Isso porque tem maior entrosamento e porque tem jogadores mais qualificados.


    Por fim, França e Islândia irão decidir no domingo, 3 de julho, quem vai passar para as semifinais. A equipe francesa tomou um susto na partida contra a Irlanda, mas venceu. Aliás, é necessário dizer que a França ainda está devendo uma exibição convincente. Penso que isso deve acontecer nas próximas partidas. Um time que tem jogadores do nível de Matuidi, Payet, Pogba e Griezmann tende a crescer na reta final. A Islândia é a maior surpresa da Eurocopa de 2016. Vale lembrar que o país tem pouco mais de 320 mil habitantes. Como se não bastasse, a liga islandesa tem apenas cem jogadores profissionais. Imaginem como deve ser difícil recrutar bons atletas para formarem um bom time. Para chegarem as quartas de final, os nórdicos eliminaram a Inglaterra. Essa foi uma proeza que não passava pela cabeça de ninguém. É muito improvável que eles a reeditem. Se eu tivesse que apostar, colocaria todas as minhas fichas na França.


    UFC- Semana internacional da luta.
    Os próximos dias serão especiais para os fãs de MMA. Isso porque o UFC promoverá a semana internacional da luta. Além do Fight Night que trará a disputa do cinturão dos leves, ainda teremos as finais da edição americana do The Ultimate Fighter e a edição 200 do mais importante campeonato de artes marciais mistas do mundo. Os eventos acontecerão na quinta-feira, na sexta-feira e no sábado, respectivamente. Alguns dos maiores nomes do esporte estarão em ação. Será imperdível! No momento oportuno, farei uma análise dos principais combates.
    Até breve, amigos!
     



  • Campeonato brasileiro


    30.06.2016 18h55m
    Recomendar

    Campeonato brasileiro de 2016 (publicado em 24/06/2016).

    Por Alexandre freire, advogado e cronista esportivo.


    O início campeonato brasileiro deste ano tem sido marcado por um grande equilíbrio. Ao contrário de anos anteriores, até o momento, nenhum clube abriu vantagem expressiva em relação aos demais. É preciso destacar que até a nona rodada, apenas seis pontos separavam os líderes do décimo colocado. Sendo assim, fazer um prognóstico mais abalizado é prematuro. De qualquer forma, vale a pena analisar as possibilidades dos principais aspirantes ao titulo.
    Considero que pelo menos nove times podem sonhar com a conquista do certame. Grêmio, Palmeiras e Internacional têm mantido maior regularidade e prometem fazer campanhas vitoriosas. Corinthians, São Paulo, Flamengo, Santos, Fluminense e Atlético-MG têm oscilado um pouco mais, mas também devem evoluir durante a competição.
    Embora o nível técnico das partidas esteja longe do que desejamos, no último domingo tivemos a sorte de assistir a um excelente jogo. Indubitavelmente, Flamengo e São Paulo realizaram a melhor exibição do “Brasileirão” até esta data. A peleja disputada em Brasília mostrou duas equipes ofensivas e com um aproveitamento de passes acima da média. Essas qualidades foram determinantes para que o espetáculo agradasse ao público.
    É digno de registro o progresso do time rubro-negro após a saída de Muricy Ramalho. O interino Zé Ricardo “arrumou a casa” e deu um padrão de jogo à equipe. Fenômeno parecido aconteceu com o Palmeiras depois da substituição de Marcelo Oliveira por Cuca. O enorme crescimento do futebol do alviverde é notório.
    Em sentido contrário, as torcidas do Corinthians e do Atlético Mineiro estão muito apreensivas com o trabalho dos seus técnicos. No caso do clube paulista, a saída de Tite e a contratação de Cristóvão Borges é motivo de grande preocupação. Em relação ao Galo, a fase ruim do seu comandante começa a ensejar rumores de uma possível demissão de Marcelo Oliveira.
    O São Paulo conta com um bom “elenco” e tem um técnico experiente, o argentino Edgardo Bauza. O problema para os tricolores é a provável saída de dois de seus melhores jogadores: Maicon e Calleri. Ambos estão emprestados e não devem permanecer. A presença do tricolor paulista nas fases seguintes da Copa Libertadores da América também pode atrapalhar a campanha do clube no campeonato nacional.
    O Santos é praticamente imbatível quando atua em seus domínios, mas pode ficar sem seus atletas mais talentosos: Lucas Lima e Gabriel “Gabigol”. A tendência é de que eles saiam no segundo semestre. Se isso acontecer, o alvinegro dificilmente será campeão.
    Levir Culpi fez o Fluminense melhorar substancialmente, mas a venda de Fred para o Atlético Mineiro enfraqueceu o ataque do tricolor das Laranjeiras. Penso que se não houver contratações, o time carioca terá poucas chances de ganhar o campeonato.
    Em outra oportunidade, farei novas observações sobre o desempenho dos favoritos ao título.


    UFC Ottawa- Rory Mc Donald x Stephen Thompson.
    Rory Mc Donald x Stephen Thompson tinham tudo para fazer uma luta memorável, mas decepcionaram aos fãs de MMA. Como eles são lutadores muito talentosos e perigosos, a expectativa é de que travassem um combate eletrizante. O que aconteceu foi justamente o contrário. O duelo foi monótono e sem emoção alguma. O excesso de cautela e a falta de agressividade foram a tônica do confronto. Thompson foi declarado o vencedor pelos árbitros. Para ser campeão dos meio-médios do UFC, todavia, terá que mostrar muito mais do que fez no sábado que passado.


    Até breve, amigos!



  • Crise do futebol brasileiro


    17.06.2016 17h13m
    Recomendar

     

    Por Alexandre Freire, advogado e cronista esportivo.


    A decadência do futebol brasileiro parece não ter fim. Quando imaginávamos que tínhamos atingido o fundo do poço, após o vexame da última Copa do Mundo, experimentamos outra situação vergonhosa: o Brasil conseguiu ser eliminado pelo Peru! Sim, fomos desclassificados da Copa América por um selecionado nacional sem nenhuma expressão no cenário mundial e que não vencia o Brasil desde 1986. É evidente que vencer a competição sul-americana não representaria nada de excepcional para a torcida, mas é uma clara demonstração de que a crise é gravíssima. Para tentar conter essa fase ruim, a diretoria da CBF demitiu Dunga e contratou Tite para o seu lugar. A escolha foi acertada, mas é preciso que o ex-técnico do Corinthians tenha muita coragem e disposição para mudar o quadro que irá encontrar. É certo que o novo treinador terá que resistir às pressões dos empresários e dos dirigentes para não convocar jogadores que fazem parte dos seus interesses escusos. Quem acompanha o futebol de perto sabe que tem sido muito comum que atletas de capacidade questionável sejam chamados para atuar com a camisa da seleção. O objetivo é o de valorizá-los e negociá-los por uma montanha de dinheiro. Muita gente tem lucrado com isso e o resultado a gente já conhece.
    Tite terá menos de um ano e meio para evitar que o Brasil fique de fora pela primeira vez de uma Copa do Mundo. Acredito que ele consiga elevar o nível do jogo que tem sido praticado. Não podemos nos iludir, todavia, que uma eventual melhora do futebol da seleção seja suficiente para nos devolver a condição de destaque que sempre ocupamos. Penso que a contratação do treinador gaúcho se apresenta como um mero paliativo. A solução do problema é muito mais complexa. Todo mundo tem a consciência que a mudança almejada demanda tempo e vontade política. Para que ela aconteça de forma efetiva é fundamental que os clubes sejam fortalecidos. Não dá mais para aceitar que o destino do nosso futebol fique nas mãos de presidentes de federações e da CBF. Nos países desenvolvidos, são os clubes que organizam os seus campeonatos, cabendo às federações apenas atividades de apoio. É inadmissível, que no atual momento do futebol mundial, os clubes ainda tenham que ceder boa parte das suas riquezas para entidades que não contribuem para o seu crescimento.
    Por outro lado, é imprescindível que os clubes voltem a investir na formação de novos talentos. Esse trabalho deve ser comandado por profissionais sérios, competentes e independentes. Se isso não acontecer, os clubes continuarão expostos aos conluios formados entre dirigentes e empresários. Infelizmente, não vislumbro um panorama que indique que essa realidade irá mudar em um curto espaço de tempo. Por enquanto, só nos resta a esperança de que o novo técnico da seleção brasileira consiga colocar a equipe entre as classificadas para a competição que será disputada na Rússia em 2016.


    Eurocopa.
    Começou no final de semana passado, o mais importante torneio de futebol do continente europeu: a Eurocopa. Nas primeiras rodadas, a França, dona da casa e uma das principais favoritas para vencer o certame, conquistou duas vitórias, mas não convenceu. A Alemanha também ganhou na estreia da Ucrânia, mas também ficou devendo um jogo melhor. A Inglaterra, por sua vez, tropeçou na primeira partida contra a Rússia e frustrou a sua torcida. Quem mais surpreendeu até agora foi a Itália que derrotou a Bélgica. Embora os jogadores europeus estejam em final de temporada, a tendência é de que a competição apresente jogos de ótimo nível técnico.


    UFC Ottawa - Rory Mac Donald x Stephen Thompson.
    Acontece hoje à noite, em Ottawa, Canadá, o UFC Rory Mac Donald x Stephen Thompson. A expectativa dos fãs de MMA é a de que eles travem uma batalha eletrizante. Isso porque ambos os lutadores são ótimos “strikers”* e costumam nocautear os seus adversários. Rory tem maior experiência e é mais completo, já que tem um jiu-jítsu mais afiado. Stephen é menos previsível e tem um estilo diferente da maioria dos atletas do UFC. O Karatê é a sua principal arma. Essas virtudes o ajudaram a despontar como um dos maiores candidatos ao posto número um da divisão. Se o confronto transcorrer em pé, o equilíbrio deve prevalecer. Se a peleja se desenvolver no solo, aposto todas as minhas fichas em Mac Donald. É importante lembrar que o vencedor do referido duelo deverá enfrentar o ganhador da luta do atual campeão dos meio-médios, Robbie Lawler, contra Tyron Woodley.


    * Striker em inglês significa aquele que bate. O termo é utilizado para definir os especialistas das lutas de contato, como é o caso dos boxeadores, dos lutadores de Muay Thai e de Karatê, por exemplo.


    Até breve, amigos!
     



  • UFC 199 - Luke Rockhold x Michael Bisping


    11.06.2016 03h56m
    Recomendar

    UFC 199:

    Por Alexandre Freire, advogado e cronista esportivo.

    Luke Rockhold x Michael Bisping- Disputa do cinturão dos médios (até 83,9 Kg).


    Afirmei na semana passada que a lógica indicava uma vitória tranquila de Luke Rockhold sobre Michael Bisping. O prognóstico tinha fundamento na consciência da superioridade técnica e na boa fase do americano. Vale lembrar que até o sábado, dia 4 de junho, Rockhold ostentava o título de campeão dos médios. Como Luke é melhor do que o inglês em pé e no chão, eu acreditava que só um nocaute poderia dar a vitória a Bisping. O problema é que o atleta da Inglaterra não é conhecido por ter as mãos pesadas. Por essa razão, quem acompanha o MMA sabia que uma derrota de Rockhold era muito improvável. Ninguém contava, contudo, com o jeito relapso e altivo com que Luke se comportou no combate. Todo mundo sabe que o ex-campeão do Strikeforce e do UFC é um dos sujeitos mais arrogantes do mundo das artes marciais mistas. Ninguém pode negar, todavia, que ele costuma atuar de forma concentrada e determinada. Desta vez, o representante dos EUA demonstrou uma empáfia impressionante. Sua expressão facial e sua postura corporal durante a peleja evidenciavam um excesso de confiança acima do esperado. Imagino que, por ter finalizado o rival com facilidade há um ano e meio, Rockhold pensou que ganharia a hora que quisesse. Ledo engano! Luke teve pela frente um sujeito decidido a conquistar a maior vitória da sua vida e sua atitude presunçosa o motivou ainda mais.
    É importante destacar que Michael Bisping não se notabilizou por possuir um grande talento, mas ele sempre treinou muito. A dedicação, a seriedade e a concentração do britânico são dignas de admiração. Como se não bastassem essas virtudes, Bisping é muito resistente e tem um “coração de leão”. Por causa dessa vontade de vencer, ele melhorou bastante nos últimos anos.
    A disputa do cinturão começou com Bisping tomando a iniciativa das ações. Com uma ótima movimentação, o britânico batia e saía do alcance do ex-campeão. Rockhold, por sua vez, caminhava em linha reta para se aproximar do adversário, abusava dos “jabs” e permaneceu a maior parte do tempo com a guarda baixa. Luke acertou bons chutes e socos no rival, mas estes foram assimilados ou bloqueados. Em um momento de extrema felicidade, Bisping acertou um cruzado fortíssimo no queixo do americano e o derrubou. Ele até que se recuperou rapidamente, mas não conseguiu evitar a sequência que pôs fim ao duelo. Vitória espetacular! O inglês está no esporte há muitos anos e jamais desistiu do sonho de ser campeão do UFC. Sua conquista é mais do que merecida.


    Dominick Cruz x Uriah Faber – Disputa do cinturão dos galos (até 61,2 Kg)
    Dominick Cruz brilhou mais uma vez e superou Uriah Faber. Dessa maneira, Cruz manteve o título de campeão dos galos do UFC. Sua movimentação constante, inteligência, habilidade como “striker” e seu condicionamento físico são impressionantes. Essas qualidades o colocam na condição de um dos lutadores mais técnicos da atualidade.


    Dan Henderson e Hector Lombard protagonizaram uma batalha que certamente entrará para a história do MMA. No primeiro round, Lombard “atropelou” o veterano dos Estados Unidos. Por pouco, o cubano não encerrou a peleja com um nocaute. No segundo assalto, Henderson ressurgiu das cinzas para derrotar o oponente de forma arrasadora. Com o triunfo, “Hendo” deve anunciar a sua aposentadoria. O americano tem 45 anos e é o atleta mais velho em atividade no UFC.

    Seleção Brasileira.
    Uma pesquisa recente indicou que noventa e um por cento dos brasileiros não têm interesse pela seleção nacional de futebol. Acho que o fracasso retumbante na Copa do Mundo de 2014, o excesso de partidas sem importância, os escândalos de corrupção envolvendo os dirigentes da CBF e as fracas atuações do nosso selecionado são os principais motivos dessa indiferença.
    O desempenho do Brasil contra o Equador na Copa América confirmou o que já sabemos: o nosso time é muito mal dirigido. Dunga não tem competência para fazer um trabalho que reconstrua a imagem da seleção brasileira. O risco de passar apuros nas Eliminatórias continua.


    Até a próxima, amigos!
     



  • UFC 198


    14.05.2016 03h36m
    Recomendar

    UFC 198
    A espera e a ansiedade chegaram ao fim. O evento mais aguardado do ano pelos fãs de MMA será realizado hoje à noite, em Curitiba, Paraná. Isso porque o UFC 198 contará com a presença de grandes nomes do esporte e ainda apresentará a disputa de cinturão do peso pesado da organização.
     O “card” preliminar promete bons duelos. O mais importante deles coloca em rota de colisão Demian Maia contra o americano Matt Brown. Maia vive a melhor fase da sua carreira e vem de quatro vitórias consecutivas. Conhecido por ser o atleta de jiu-jítsu que melhor adaptou a arte suave ao MMA, o paulista tem sido um terror para quem o enfrenta. Já Matt Brown é um “striker” bastante perigoso e agressivo. “The Immortal”, como é chamado, se notabilizou por ter muita garra e por não desistir nunca. Apesar de reconhecer essas qualidades, penso que o nosso compatriota tem maior chance de vencer a peleja. Para atingir o seu objetivo, porém, Demian terá que fazer de tudo para manter a luta no solo. Caso o combate se desenvolva em pé, Brown levará grande vantagem e poderá nocautear o seu adversário.
    O “card” principal, por sua vez, tem tudo para ser espetacular. Afinal de contas, alguns dos maiores expoentes dessa modalidade esportiva se enfrentarão pela primeira vez. Pelo menos quatro das cinco lutas devem ser eletrizantes. A tendência é de que na primeira delas, Maurício “Shogun” Rua e Corey Anderson travem uma batalha equilibrada. Shogun já foi campeão meio-pesado, mas não tem repetido o sucesso do passado. Depois de um longo período de treinos na academia Kings MMA nos EUA, a esperança é de que Shogun tenha melhorado o seu condicionamento físico e a confiança. A força da torcida também poderá ajudá-lo, já que atuará na sua cidade natal. Corey Anderson, por sua vez, venceu a décima nona versão do TUF americano e é uma das boas revelações da atualidade. O americano é um bom “boxeur” e tem boa envergadura. Por ser oriundo do wrestling, é difícil de ser colocado para baixo. Se Shogun conseguir derrubá-lo poderá suplantá-lo, já que tem maior bagagem no jiu-jítsu. Se não conseguir fazer isso, o curitibano terá que estar muito bem preparado para vencer Anderson.
    Na sequência, Cris “Cyborg” não deve ter grandes problemas para nocautear Leslie Smith. Cyborg é ex-campeã do Strikeforce e fará sua estreia no UFC contra uma atleta de pouca expressão. A brasileira é muito mais forte e experimentada. Por isso, eu acredito que o confronto não deve passar do primeiro round.
    A penúltima batalha da noite é aquela que mais chama a atenção dos fãs do MMA. Vítor Belfort x Ronaldo “Jacaré” Souza devem fazer uma luta histórica! Vítor começou a brilhar no UFC aos dezenove anos, quando se tornou campeão pela primeira vez. Em seguida, “migrou” para o Pride e passou por altos e baixos. Abalado pela morte da sua irmã, Belfort não conseguiu manter a regularidade na carreira. Superado o drama familiar, o carioca se reinventou e hoje é um dos atletas mais temidos do esporte. Vítor sempre foi um boxeador extremamente eficiente e veloz. De uns anos para cá, passou a ter um muay thai afiadíssimo e a chutar como poucos. Jacaré é uma lenda do jiu-jítsu mundial e tem evoluído bastante em pé. Para completar, ele é muito resistente e costuma buscar a vitória do início ao fim. Confesso que tenho dificuldade em apontar o favorito. Penso que por agir como um predador faminto, Befort tentará resolver a parada no primeiro round. Se Jacaré não se cuidar poderá ser nocauteado. Nem por isso, Vítor poderá se descuidar, já que Ronaldo tem uma mão pesada. Se a peleja chegar até o final, considero que as chances de Jacaré ganhar por pontos ou por finalização é enorme. Se eu fosse apostar cem reais, arriscaria cinquenta e um na vitória de Jacaré e quarenta e nove no triunfo de Vítor.
    O UFC 198 será encerrado com a disputa do título do peso pesado. Fabrício Werdum defenderá o seu cinturão contra Stipe Miocic. Depois que Werdum passou a ser treinado por Rafael Cordeiro, se transformou em um atleta quase imbatível. Se antes era respeitado pelas habilidades no “grappling”, hoje representa uma ameaça na troca de golpes. Miocic é um ótimo “wrestler”, mas o curioso é que prefere utilizar o boxe para destruir seus oponentes. O desafiante também dá muita importância à preparação física. Por conta disso, costuma se aproveitar do cansaço dos adversários para tentar derrotá-los. Meu palpite é de que o gaúcho irá manter-se como campeão.
    P.S: Anderson Silva estava escalado para encarar Urial Hall, mas foi retirado do evento. O “Spider” sentiu fortes dores abdominais e foi operado na última terça-feira.
    Glossário: Striker- Termo utilizado para definir os especialistas na luta em pé. Grappling- Vocábulo usado para designar os especialistas na luta agarrada.
    Até a próxima semana, amigos!
    Alexandre Freire, advogado e cronista esportivo.



  • UFC 197- Retorno de Jon Jones.


    30.04.2016 15h26m
    Recomendar

    Por Alexandre Freire, advogado e cronista esportivo.
    O UFC 197 realizado no último sábado dia 23, em Las Vegas, EUA, apresentou a volta do norte-americano Jon Jones aos octógonos. Depois de um ano e três meses afastado do esporte, o ex-campeão meio-pesado enfrentou Ovince Saint Preux pela disputa do cinturão interino da referida categoria. Jones havia sido escalado inicialmente para encarar Daniel Cormier, mas ele se machucou nos treinos. Essa era e (continua sendo) uma das revanches mais aguardadas pelo público, já que Jones o derrotou em janeiro do ano passado.
    Vale ressaltar que Jones permanece invicto. Seu título de campeão só foi revogado por causa de problemas com a justiça do seu país, logo após se envolver em um acidente de trânsito. Na ocasião, Jon se evadiu do local sem prestar socorro à vítima. Além disso, a polícia encontrou maconha e bebida alcoólica no seu carro. Por conta dessa situação, a direção do UFC o puniu com uma longa suspensão e com a perda do cinturão.
    Cumprida a punição, a expectativa dos fãs de MMA era a de que Jones tivesse uma atuação brilhante e vencesse o seu desafiante sem maiores dificuldades. Isso porque ele é o melhor lutador de MMA da atualidade. Além disso, todos sabem que embora Saint Preux seja muito forte e tenha boas qualidades, é muito inferior a Jon Jones.
    Os prognósticos feitos em relação ao combate se concretizaram parcialmente. Como já era esperado Jon Jones venceu, mas teve o pior desempenho desde que começou a competir nas artes marciais mistas. O ex-campeão linear e atual campeão interino, lutou de forma burocrática e foi menos agressivo do que de costume. Mesmo assim, Jones foi superior ao seu oponente e ganhou por decisão unânime dos árbitros laterais. Acredito que “Bones” (como também é chamado) tenha sentido o longo período de inatividade. Além do mais, penso que ele deve ter se poupado, porque planejava lutar com Cormier no UFC 200, no dia 9 de julho. Na quarta-feira, a organização confirmou o combate para a data citada.
    Apesar de não ter tido uma performance tão exuberante, Jon Jones teve alguns momentos fantásticos, sobretudo, a partir do terceiro round. Mesmo quem conhece seu estilo, ficou impressionado com as quedas espetaculares que aplicou em Ovince Saint Preux, com os pisões nos joelhos e com as potentes cotoveladas que desferiu. Esses golpes, indubitavelmente, quebraram o rival física e psicologicamente. De qualquer forma, a sensação que restou é da que Jon Jones terá que repetir suas melhores atuações para tomar o cinturão linear das mãos de Daniel Cormier.



  • Semifinais da UEFA Champions League


    30.04.2016 15h21m
    Recomendar

    Futebol Internacional- Semifinais da UEFA Champions League.
    Manchester City 0 x 0 Real Madrid.
    Manchester City e Real Madrid fizeram a primeira das duas partidas válidas pelas semifinais da UEFA Champions League, em Londres, na última terça-feira. O jogo não correspondeu às expectativas. O primeiro tempo foi muito fraco e sem nenhuma emoção para os torcedores. A segunda etapa do foi um pouco melhor, sobretudo a partir dos 20 minutos, quando o time da capital espanhola criou três ótimas oportunidades de gols. O empate por zero a zero refletiu o que as duas equipes produziram.
     É importante destacar que a ausência de Cristiano Ronaldo tirou boa da confiança e do poderio ofensivo do Real. O atacante português está machucado e é dúvida para a peleja da volta em Madrid, na próxima semana. Sem ele, o time da Espanha fica mais previsível e o duelo com o clube inglês tende a ser mais equilibrado.
    Por outro lado, é notório que o Manchester City perdeu uma grande chance de vencer, já que atuava com o apoio da sua torcida. Creio que o representante da Inglaterra na competição deveria ter arriscado mais para conseguir a vitória. Esse resultado poderia deixá-lo mais tranquilo para o jogo da volta. Sérgio “Kun” Aguero, melhor jogador do City teve uma atuação muito apagada.
    No confronto do dia 04 de maio, a perspectiva é de que o Real Madrid aproveite a vantagem de jogar em casa e se classifique para a final da Liga dos Campeões da Europa.
    Atlético de Madrid 1 x 0 Bayern München.
    Na outra partida da Champions League, o Atlético de Madrid derrotou o Bayern de Munique por um a zero. O time treinado por Diego Simeone venceu, porque impôs o seu padrão de jogo a maior parte do tempo. O Atlético costuma sufocar os seus adversários com uma forte marcação. A exceção do goleiro, todos os jogadores participam dessa ação defensiva. Para completar, a equipe espanhola tem um contra-ataque bastante perigoso. Foi assim que Saúl Ñiguez fez o gol da vitória na etapa inicial. Aliás, é bom que se diga que o tento foi uma verdadeira obra-prima.
    No segundo tempo, o time espanhol armou um forte bloqueio na frente da sua defesa e não permitiu que o Bayern empatasse. Os alemães pressionaram bastante, mas não conseguiram vazar a meta defendida pelo goleiro Oblak. Com a vantagem mínima conquistada pelo Atlético de Madrid, acredito que será muito difícil que o Bayern não alcance o seu objetivo de chegar à final da competição. O clube alemão é melhor tecnicamente e costuma jogar muito bem quando se apresenta nos seus domínios.
    Até a próxima, amigos.



  • UFC Croácia- Vitória de Júnior “Cigano” dos Santos.


    16.04.2016 19h02m
    Recomendar

    Por Alexandre Freire, advogado e cronista esportivo.

    Destaquei na semana passada que Júnior dos Santos precisava vencer Ben Rothwell para voltar a sonhar com a disputa do título dos pesos pesados do UFC. Afirmei que para conseguir o seu objetivo, Cigano teria de lutar de forma estratégica, golpeando e saindo do alcance das mãos pesadas do norte-americano. Disse ainda que ele deveria evitar o jogo de chão do oponente. Para a alegria da torcida, o nosso compatriota adotou essa tática e venceu de maneira incontestável. Cigano lutou com muita inteligência, aproveitando-se da sua maior velocidade e habilidade no boxe. O atleta de Santa Catarina apresentou grande evolução na movimentação lateral e um excelente condicionamento físico. Com isso, evitou ficar com as costas na grade e não se tornou um alvo fixo, como em lutas anteriores. Dos Santos também demonstrou que estava mais confiante do que na ocasião em que foi derrotado pelo holandês Alistair Overeem.
    Pode parecer um paradoxo, mas apesar do representante do Brasil ter lutado de forma tão eficiente, fiquei pessimista quanto ao seu futuro no UFC. Isso porque Cigano parece ignorar que luta MMA. O ex-campeão está convencido de que o seu poder de nocaute é suficiente para voltar a ser o número um entre os pesados. Ele já declarou isso diversas vezes. Todo mundo sabe, porém, que um atleta de excelência não pode se restringir a única modalidade. O esporte em questão progrediu muito nos últimos anos e vem exigindo cada vez mais que os seus praticantes sejam versáteis. É lógico que todos os lutadores têm maior desenvoltura em uma arte marcial específica e é natural que se sintam mais confortáveis nas suas especialidades. É fundamental, todavia, que não se sintam inseguros em relação às outras.
    Quando Júnior dos Santos foi passar uma temporada nos Estados Unidos para treinar wrestling, acreditei que ele estava disposto a enriquecer o seu jogo. Como ostenta a faixa-preta de jiu-jítsu, Cigano poderia usar a luta olímpica para submeter os rivais no solo. Agindo assim, também se tornaria menos previsível e poderia surpreendê-los. Lamentavelmente, o brasileiro parecer não ter mudado. Ele continua sem tentar derrubar os oponentes e quase não chuta. Forte do jeito que é e como domina a técnica do chute, Júnior poderia fazer isso com maior frequência. Não faz, porque parecer ter medo de ser derrubado. Cigano parece um peixe fora d’água quando é obrigado a ir para o chão. Penso que Júnior dos Santos continuará tendo êxito contra os rivais que aceitem enfrentá-lo na sua zona de conforto. O problema para o catarinense é que os dois melhores atletas da sua divisão não se arriscarão boxeando com ele. Cain Velásquez mostrou que sabe o que deve fazer para anular as suas virtudes. O atual campeão, Fabrício Werdum, já foi derrotado por Júnior dos Santos em 2008, mas como é muito inteligente, certamente, não cometerá os mesmos erros da primeira luta. Por esses motivos, considero que é improvável que Cigano tenha o sucesso de outrora e recupere o cinturão.
     



  • UFC 200

    por Alexandre Freire, advogado e cronista esportivo.
    04.04.2016 19h14m
    Recomendar

    A direção do UFC divulgou na quarta-feira, dia 30, cinco confrontos que irão compor o “card” do evento mais importante da organização nos últimos anos. A mais surpreendente delas foi o anúncio da revanche de Conor McGregor contra o americano Nate Diaz. A grande maioria dos fãs de MMA esperava que José Aldo Jr finalmente tivesse a chance de encarar o falastrão irlandês mais uma vez pela disputa do cinturão dos penas. Afinal de contas, o brasileiro era o único campeão da divisão até dezembro de 2015 e esteve invicto por dez anos, quando foi nocauteado por Conor. Vale ressaltar que o duelo de McGregor contra Diaz só ocorreu porque Rafael dos Anjos se machucou e o UFC teve que arranjar um substituto às pressas. Para surpresa de Dana White, Nate Diaz finalizou Conor McGregor mesmo tendo apenas dez dias para se preparar para a contenda, já que estava de férias no México quando foi convidado. Outro detalhe importante é que o combate foi travado em categoria acima da que Conor e Nate estão ranqueados.


    A decisão do UFC de conceder uma revanche a McGregor em detrimento de Aldo desprestigia o mérito e arranha ainda mais a imagem da organização perante os aficionados por MMA.


    P.S: Como prêmio de consolação, José Aldo foi escalado para enfrentar Frankie Edgar. De acordo com o UFC, o vencedor dessa luta será o próximo desafiante de Conor McGregor na disputa do título do peso pena.


    Até a próxima semana, amigos!
     



  • Eliminatórias da Copa do Mundo

    por Alexandre Freire, advogado e cronista esportivo.
    04.04.2016 19h09m
    Recomendar

    A participação da seleção brasileira nas eliminatórias para a próxima Copa do Mundo confirma o que todo mundo já sabia: o nosso futebol vive uma crise sem precedentes. Como a discussão sobre o declínio do referido esporte jogado no Brasil é muito ampla, vou restringir a minha análise ao nosso selecionado. Em momento oportuno, farei comentários sobre o baixo nível técnico dos times nacionais e dos nossos campeonatos.


    Voltando ao assunto original, é necessário destacar que os jogos disputados recentemente contra o Uruguai e o Paraguai acentuaram o temor de que o Brasil possa ficar de fora da Copa da Rússia em 2018. Constatamos com preocupação que os problemas apresentados nos últimos anos não foram resolvidos. A seleção brasileira continua com um setor defensivo extremamente vulnerável, permanece padecendo de falta de criatividade no meio de campo e o seu ataque não é tão eficiente como gostaríamos de ver. Dizer que dependemos da genialidade de Neymar já virou lugar comum. Por falar nele, é importante lembrar que o craque do Barcelona tem jogado em uma posição diferente daquela em que atua no time catalão. No “Barça”, ele costuma jogar pelo lado esquerdo do ataque, perto da área adversária. Na seleção, Neymar é um jogador de criação no meio de campo, ficando um pouco mais afastado da meta contrária. Além de não possuir esta característica, nesta faixa do campo ele tem menos espaço e tem de enfrentar uma marcação mais rigorosa. Esses são motivos determinantes para que ele não renda o que se espera, se irrite e tome cartões.


     Infelizmente, colocar Neymar para jogar fora da sua posição ideal não é o único erro cometido por Dunga. Além de não conseguir dar um padrão de jogo à equipe, o treinador faz convocações esdrúxulas, escala mal e quase sempre falha nas substituições. Se ele não for destituído do posto urgentemente, o risco de fracassar é muito alto. A expectativa geral é a de que a direção da CBF o demita e contrate Tite para o seu lugar. O atual técnico do Corinthians já demonstrou que tem grande capacidade e é muito respeitado pelos jogadores. É evidente que a troca do comandante do time não vai corrigir todos os problemas, mas certamente os seus efeitos serão mitigados. O trabalho do treinador à frente da equipe corintiana, no ano passado e no início dessa temporada, nos leva a crer que o desempenho da seleção poderá melhorar substancialmente com a sua designação para o cargo.

     



  • 1
Publicidade

Histórico

2016
2017
Os comentários e textos não representam a opinião do portal; a responsabilidade pelo blog é do autor da mensagem.
Folha do Estado da Bahia
Desenvolvido por Tacitus Tecnologia